img-site-600x400Desde o início da nova gestão, o Governo de Minas Gerais esteve consciente da importância do esporte para a população, tanto que criou a Secretaria de Estado de Esportes (SEESP) de forma independente, sem vinculá-la a outros temas, como Turismo ou Juventude, pastas às quais a temática esteve unida anteriormente. Para o secretário de Estado de Esportes em exercício, Ricardo Sapi, a iniciativa de dar independência à Secretaria foi fundamental. “Temos um órgão dedicado às políticas públicas do esporte em todas as suas dimensões – rendimento, participação e educacional –, com profissionais integralmente dedicados a esse assunto, o que leva à excelência do trabalho e ao fortalecimento do esporte mineiro”, afirmou.

Para 2017, o objetivo é dar continuidade ao trabalho desenvolvido nos últimos dois anos, ampliando a abordagem dos projetos e ações para atender ainda mais o paradesporto, aumentar a movimentação das equipes esportivas dos municípios nos programas da Secretaria, além de democratizar cada vez mais o acesso dos cidadãos à prática esportiva.

Confira as principais realizações da Secretaria de Estado de Esportes

Estado foi palco de grandes eventos nos últimos dois anos

Por meio da celebração de convênios e apoios institucionais, a SEESP viabilizou em 2015 e 2016 diversas competições e eventos esportivos no estado. Além de movimentar toda a cadeia esportiva, essas competições favorecem o crescimento da economia local e estimulam o interesse da população por diferentes modalidades, assim como o futebol americano que, no último ano, ganhou destaque em Minas Gerais.

O Campeonato Mineiro da modalidade retornou ao calendário esportivo após três anos de ausência e teve sua partida inaugural em 21 de março na Arena Independência. Na ocasião, o Minas Locomotiva (tricampeão mineiro) venceu o BH Eagles (campeão da Copa América) por 34 a 24. Mas quem ganhou mesmo foram os 5.634 espectadores que compareceram ao estádio para acompanhar a disputa de uma das modalidades que mais crescem no Brasil.

Já a final da competição foi realiza no Mineirão, em junho, diante de 8.720 mil pessoas, quando nos segundos finais o Minas Locomotiva virou a partida contra o BH Eagles e sagrou-se campeão por 21 a 17.

Ainda em 2016, Minas Gerais foi casa da decisão da Liga Nacional. Em jogo disputado na Arena Independência, no início de dezembro, o BH Eagles bateu o mato-grossense Sinop Coyotes e faturou a taça.

Para o presidente da Federação Mineira de Futebol Americano, Abraão Coelho, o apoio da SEESP foi fundamental para impulsionar o crescimento do futebol americano em Minas Gerais nesse em 2016. “Tivemos visibilidade sem igual. Esse suporte abriu portas em diversas frentes e foi especialmente importante diante de dois gigantes: Arena Independência e Mineirão. Com a abertura e a final do Campeonato Mineiro batemos recorde de público e projetamos em grande estilo a modalidade em Minas Gerais. Nós nos sentimos abraçados pela SEESP e temos ali um grande parceiro para seguir na expansão da modalidade e transformar o estado em um grande celeiro de atletas para o Brasil", afirmou.

Outra modalidade que vem crescendo no estado é o handebol. Em 2015, as cidades de Uberaba e Uberlândia sediaram o XX Mundial Júnior Masculino. A competição, que é uma das mais importantes no calendário internacional da modalidade, reuniu equipes de 24 países no Triângulo Mineiro. Realizada pela Federação Internacional e pela Confederação Brasileira de Handebol, a competição contou com apoio da SEESP, do Governo de Minas Gerais e do Ministério do Esporte, além das prefeituras dos municípios-sede. Na grande final, a França venceu a Dinamarca por 26 a 24 e levou o título.

Segundo dados da Fundação Uberlandense do Turismo, Esporte e Lazer (FUTEL), a realização do torneio movimentou cerca de R$ 2,5 milhões na economia do município. Movimento semelhante teve a cidade de Uberaba, que abrigou a abertura oficial e o jogo inaugural entre a Brasil e Japão.

Ao sediar o Mundial, Minas Gerais impulsionou o handebol no estado, o que já rendeu bons resultados: o ADJF, de Juiz de Fora, conquistou, em 2016, o Campeonato Brasileiro Adulto e a Copa do Brasil Masculina de Handebol. Foi a primeira vez que um time mineiro venceu no mesmo ano as duas principais competições nacionais da modalidade.

Segundo o presidente da Federação Mineira de Handebol, Cláudio Dias, os desportistas mineiros celebram o trabalho da SEESP. “A Secretaria tem sido de fundamental importância e soubemos, desde o início, que teria sucesso. Em 2015, logo no início da gestão, a SEESP apoiou o sediamento, em Minas Gerais, do Mundial Sub-20, após a desistência do Rio Grande do Sul faltando poucos meses para o evento, que normalmente tem a sede definida com 4, 6 anos de antecedência. Foi a maior realização da história do handebol mineiro! Um sucesso absoluto de público e de organização. A Secretaria foi super elogiada por todos, pelo profissionalismo, competência e organização. Minas aceitou o desafio e, realizou o mundial com apenas três meses de antecedência, de forma exemplar”, contou.

Além do Mundial de Handebol, o Triângulo Mineiro foi palco de três outros grandes momentos do esporte brasileiro.
Em outubro de 2015, cerca de 5 mil pessoas participaram dos 63º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs). A Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU), realizadora da competição, aplicou R$ 5,5 milhões no JUBs e o evento movimentou cerca de R$ 11 milhões na cadeia produtiva local nos 12 dias de disputas. O segmento de hotelaria foi um dos mais favorecidos. Com aproximadamente 4,7 mil leitos em toda a rede hoteleira, cerca de 90% deste total foram ocupados nas semanas do evento.

Já a cidade de Uberaba foi palco da 10ª edição do Grand Prix de Futsal, em novembro de 2015. Na competição, realizada pela Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) e apoiada institucionalmente pela SEESP, a Seleção Brasileira conquistou o 9º título da competição. Além do Brasil, as equipes do Paraguai, Guatemala, Zâmbia, Colômbia, Irã, Uruguai e Angola também participaram da disputa.

No início de maio de 2016, devido à excelente campanha da seleção em Uberaba, a cidade foi escolhida para receber o lançamento do novo uniforme da equipe verde e amarela.

Já entre os dias 5 e 8 de maio, Uberaba sediou o Desafio Sul-Americano de Futsal. A competição reuniu grandes confrontos continentais, com a participação de Brasil, Argentina, Colômbia e Uruguai. As partidas foram realizadas no Centro Olímpico Engenheiro Wagner do Nascimento.

Sucesso nos tatames e quadras

Outro esporte que vem se destacando no cenário esportivo mineiro é o judô. A modalidade já teve seis projetos executados por meio da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte, beneficiando quase 4 mil pessoas.

Além disso, no segundo semestre de 2015, com a presença de cerca de 2.800 alunos de escolas municipais de Belo Horizonte, o Brasil venceu a Alemanha por 4 a 2 no Superdesafio BRA de Judô, realizado na Arena Minas Tênis Clube.

Parcerias estabelecidas com clubes sociais é uma das áreas de trabalho da Secretaria de Estado de Esportes elogiada por Marcolino de Oliveira, presidente da Federação dos Clubes do Estado de Minas Gerais (Fecemg). “A Fecemg considera que uma Secretaria de Estado com exclusividade para o Esporte facilitou o relacionamento com os responsáveis pela pasta e, consequentemente, a solução de eventuais problemas existentes, além de ter proporcionado uma maior agilidade nas análises dos processos da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte, favorecendo inclusive a formação básica de atletas para um futuro olímpico”, afirmou.

O Minas Tênis Clube foi palco ainda de outro evento patrocinado pelo Governo de Minas Gerais e apoiado pela Secretaria de Estado de Esportes: a Copa Davis, em julho deste ano.

Pela segunda vez na história, Minas Gerais recebeu um confronto da competição que é considerada a Copa do Mundo do Tênis, dirigida pela Federação Internacional de Tênis (ITF).

No confronto contra o Equador, o Brasil levou a melhor e, após conquistar três pontos, saiu vitorioso em seu objetivo: classificar para o Playoff da Copa Davis, uma espécie de repescagem para o Grupo Mundial de 2017.

As quadras mineiras receberam também nos últimos dois anos confrontos importantes do voleibol nacional.

Em abril de 2015, a SEESP cedeu o Ginásio Mineirinho para a partida decisiva da Superliga Masculina de Vôlei, o campeonato brasileiro da modalidade. Em maio do mesmo ano, quem passou pelo local foi a Seleção Brasileira. A equipe do técnico Bernardinho esteve em Belo Horizonte para a disputa da primeira rodada da fase classificatória da Liga Mundial de Vôlei.

Em outubro, foi a vez da cidade de Betim ser sede do Mundial de Clubes de Vôlei Masculino. A competição, que contou com o apoio institucional da SEESP, teve a participação de equipes dos seis continentes. Em 2016, a competição retornou para Minas Gerais e teve as presenças do Sada Cruzeiro e do Minas Tênis Clube.

Nesse ano, a modalidade proporcionou grande visibilidade para o estado. A Seleção da Polônia – campeã mundial em 2012 e última sede da fase final da Liga Mundial de Voleibol masculino – se preparou em Contagem para os Jogos Rio 2016, no Ginásio Poliesportivo do Riacho. No local, a equipe disputou um amistoso com o Sada Cruzeiro.

Assim como a Polônia, o Egito aproveitou a presença em Minas Gerais para realizar amistosos como parte da preparação para os Jogos Olímpicos.

Apoio ao esporte indígena e de surdos

Por meio de convênio, a Secretaria de Estado de Esportes viabilizou, em março de 2016, a realização da 1º Taça Minas de Futsal para Surdos. A competição, promovida pela Federação Mineira Desportiva dos Surdos (FMDS), contou com a participação de aproximadamente 260 atletas entre 16 e 35 anos, nas categorias masculino e feminino.

Já entre os dias 30 de junho e 3 de julho, a reserva indígena Maxakali Aldeia Verde, localizada no município de Ladainha, no Vale do Mucuri, recebeu a 4ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas de Minas Gerais. A competição, que já está prevista nas ações da SEESP para 2017, foi viabilizada por meio de parceria das Secretarias de Estado de Educação (SEE), Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese) e de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac) com a Prefeitura de Ladainha. Participaram do evento cerca de 600 atletas de 11 etnias. As modalidades disputadas foram Derruba o Toco, Arco e Flecha, Cabo de Guerra, Zarabatana, Corrida do Maracá, Bodok, Arremesso de Lança e Futebol. A iniciativa do Conselho dos Povos Indígenas de Minas Gerais (COPIMG) conta com recursos provenientes de emenda da Comissão de Participaão Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Sucesso olímpico

Criado em abril de 2015 pelo Governo de Minas Gerais, o Núcleo de Articulação Minas 2016 integrou forças de 16 secretarias e órgãos de Estado, coordenados pela Secretaria de Esportes. O objetivo foi planejar e executar as ações necessárias para os eventos relacionados aos Jogos Rio 2016 em solo mineiro, como o Tour da Tocha e o Torneio Olímpico de Futebol.

A SEESP aproveitou o momento em que o país iria receber o maior evento esportivo do mundo para colocar em prática um projeto pioneiro de atração de comitês e delegações olímpicas e paralímpicas para treino e aclimatação em Minas Gerais e a iniciativa obteve grande sucesso: passaram pelo estado representantes de 18 países que participaram das disputas das Olimpíadas e Paralimpíadas no Rio de Janeiro.

A captação das delegações começou com o mapeamento das estruturas esportivas em padrão internacional e olímpico, acompanhado da análise de fornecimento de infraestrutura no entorno dos centros. Com o mapeamento o estado também se preparou para atrair outros grandes eventos esportivos nacionais e internacionais.

O coordenador do Núcleo de Articulação Minas 2016, Carlos Henrique, ressaltou as melhorias estruturais que estarão à disposição de jovens talentos do esporte mineiro. “O legado dos Jogos foi muito importante. Exemplo é a UFMG, que a partir de agora possui uma pista de atletismo e um parque aquático de alto nível, que já estão recrutando crianças e jovens para praticarem modalidades esportivas nas dependências da universidade”, destacou.

Minas Gerais foi a única unidade federativa a fazer esse trabalho de captação de delegações. E os resultados foram tão positivos que até a província de Yamanashi, vizinha da próxima sede das Olimpíadas – Tóquio (Japão) – buscou o governo de Minas Gerais para conhecer o projeto e se preparar para os Jogos 2020.

O estado recebeu ainda o Tour da Tocha Olímpica, que percorreu mais de 30 cidades, e o Mineirão foi sede de 10 partidas do Torneio Olímpico de Futebol.

Minas Esportiva chega para fortalecer o esporte

Com o fim do ciclo olímpico Rio 2016, o programa Minas Olímpica deixa de existir e dá lugar ao Minas Esportiva, que reúne as principais iniciativas da SEESP para o esporte de rendimento, formação e participação. E a iniciativa, nascida com a independência da pasta de esportes no governo, já colhe bons resultados.

Em 2016, os Jogos Escolares de Minas Gerais (JEMG) alcançaram o número recorde de 829 municípios inscritos e quase 40 mil alunos-atletas participantes entre 12 e 17 anos. Os campeões estaduais do JEMG representaram o estado nos Jogos Escolares da Juventude e Paralimpíadas Escolares.

Já os Jogos de Minas Gerais promovem o esporte de rendimento, sobretudo nos municípios do interior, revelando atletas que possam representar o estado nas principais competições nacionais e internacionais. Em 2016, foram investidos R$ 1,4 milhão no evento que contou, em sua etapa estadual, com a participação de quase 50 cidades.

Com o objetivo de valorizar o trabalho em prol do esporte mineiro, a SEESP contemplou, em 2016, 89 atletas e 20 técnicos com a Bolsa Atleta e Bolsa Técnico, investindo R$ 1,13 milhão. Entre os beneficiários, atletas jovens, em início de carreira, e consagrados, com passagens por Olimpíadas e Paralimpíadas.

O Minas Esportiva Incentivo ao Esporte, regulamentado pela Lei 20.824/2013, com o objetivo de fortalecer o desporto e o paradesporto no estado por meio do esforço conjunto entre o Governo de Minas Gerais, apoiadores e executores, beneficiou, em 2016, mais de 30 mil pessoas e cerca de R$ 8,3 milhões foram destinados aos projetos aprovados pelo mecanismo.

O ICMS Esportivo, por sua vez, distribui o corresponde a 0,1% da cota do ICMS pertencente aos municípios. Por meio do instrumento, a cidade de Cataguases tirou os jovens da criminalidade e também criou oportunidades. O município foi um dos que mais pontuaram no mecanismo, o que lhe garantiu um repasse de R$ 137 mil em 2015, até o mês de outubro. Em 2016, a cidade de Caratinga atingiu a maior pontuação. O município teve 101 programas/projetos aprovados no ICMS Esportivo ano base 2015, em 11 atividades esportivas, e deve receber em 2017 mais de R$ 200 mil em repasses, isto é, 2,73% do montante total estimado para o ano em questão (R$ 8.656.754,91).

Segundo o secretário Ricardo Sapi, o trabalho feito até o momento refletirá no crescimento de Minas Gerais no cenário esportivo nos próximos anos. “Estamos fomentando um processo de formação de novos atletas e fortalecimento de modalidades, além de propiciar aos municípios e entidades a execução de projetos sem que seja necessário retirar dinheiro de seus cofres. Minas será, muito em breve, uma potência do esporte. E se já temos tantos representantes que nos orgulham nos campos, quadras, piscinas e pistas atualmente, no futuro teremos muitos outros. Isso é o que motiva nosso trabalho. Como diz o lema da SEESP: o esporte é o que nos move”, finalizou.