jimi chamadaA Secretaria de Estado de Esportes de Minas Gerais (SEESP) abriu, nesta segunda-feira (6/2), as inscrições (http://bit.ly/2kSrLN1) para os Jogos do Interior de Minas (JIMI). A competição, substituída desde 2012 pelos Jogos de Minas Gerais, volta ao calendário oficial em 2017 em seu formato original. Criado em 1985, o JIMI chega à sua 33ª edição neste ano, com foco no esporte de participação.

“Até aqueles que não possuem a pretensão de se profissionalizar poderão participar. Com o JIMI ampliamos o interesse das pessoas defenderem os títulos por suas cidades, estimulamos a melhora na qualidade de vida; evitamos que os jovens mineiros flertem com a criminalidade, por estarem envolvidos em uma agenda de treinos e jogos; e ainda favorecemos a descoberta de novos talentos”, explica o secretário de Estado de Esportes em exercício, Ricardo Sapi.

O que todo grande atleta, independentemente da modalidade tem em comum? Todos eles receberam uma chance de disputar uma competição antes de chegar ao alto-rendimento. Inclusive, uma das etapas mais difíceis para realizar o sonho de ser atleta é exatamente essa iniciação em competições. E é exatamente isso que os Jogos do Interior de Minas (JIMI) oferece a todos os praticantes espalhados pelo estado.

Atleta de handebol, Roberta Cassiano disputará o JIMI pela primeira vez e não vê a hora de representar sua cidade, Lavras. “Ainda faltam alguns meses, mas já estou apreensiva para disputar minha primeira competição. Além da prática esportiva, o Jimi é uma grande oportunidade para eu conhecer o esporte de competição e ter uma noção de onde posso chegar na minha modalidade, já que vou disputar com as melhores da minha região”, acredita a atleta de 16 anos.

Apesar do JIMI ser sua primeira experiência, Roberta sabe bem onde quer chegar. “Sonho em poder um dia me profissionalizar e viver do handebol, mas para isso, tenho que subir degrau por degrau, e o primeiro é a disputa do Jimi pela UFLA (Universidade Federal de Lavras)”, conta a atleta que começou a praticar o esporte há apenas três anos.

“Jogo handebol desde 2013. Estudo em colégio militar e comecei a praticar na escola, na aula de educação física. Em pouco tempo evolui tanto que me chamaram para treinar na equipe da cidade e agora terei essa oportunidade de disputar o JIMI”, conclui Roberta.

Por outro lado, o JIMI também serve para atletas que já são profissionais em suas modalidades, como é o caso de Gabriel Lima, levantador do time de vôlei de Montes Claros que disputará o JIMI e que atualmente faz parte do time adulto da cidade, que disputa a Superliga.

Integrante do time de Montes Claros que disputa a Superliga de vôlei, o levantador Gabriel Lima disputará o JIMI pela cidade. Foto: Arquivo Pessoal“A expectativa é sempre a melhor possível. Nos últimos anos estamos crescendo e evoluindo, o que contribuiu para que Montes Claros fosse campeão geral dos Jogos de Minas”, conta o jogador que espera enfrentar grandes adversários na competição.

“Apesar de diminuir a exigência para a participação dos atletas, sabemos que haverá times competitivos no JIMI, e a ideia é que consigamos repetir as atuações do último ano para representarmos Montes Claros novamente no cenário estadual”, confia Gabriel.

Além da expectativa dos atletas, a abertura das inscrições para o JIMI também gera ansiedade para saber quais as cidades que sediarão as disputas. Entre os vários municípios que se inscreveram para receber as etapas microrregionais, está Pitangui, cidade localizada no Território Oeste, que concorre para sediar a etapa microrregional Sudoeste.

“A pasta de Educação e Esportes de Pitangui ficou parada praticamente por oito anos. Por isso, ao assumir a Secretaria decidimos nos inscrever para sediar o JIMI, pois dessa forma estaríamos voltando ao cenário esportivo da melhor maneira possível”, explica Edson Miguel de Barcelos, Secretario de Educação e Esportes de Pitangui.

Além da visibilidade e do incentivo que o JIMI leva para as cidades-sede, Miguel também tem esperança que dessa forma praticamente todos os jovens do município vão querer participar.

Regulamento
Assim como nos anos anteriores, as competições são divididas em três fases: microrregional, regional e estadual. Para a primeira fase, as inscrições serão divididas em duas partes.

Desta segunda-feira (6/2) até o dia 3 de março, as prefeituras municipais precisam realizar o cadastro de quais modalidades terão representantes. Posteriormente, entre os dias 6 e 31 de março, é hora de definir quais os atletas que representarão cada cidade na disputa – inclusive as prefeituras poderão cadastrar novos competidores para as modalidades que já se inscreveram.

Já para aqueles que forem competir na segunda etapa microrregional, que acontecerá de 27 de abril a 1º de maio, as inscrições vão até o dia 7 de abril. A divisão das oito microrregionais nas duas datas será divulgada em breve pela comissão organizadora do evento. Veja aqui o regulamento Geral dos Jogos do Interior de Minas (JIMI).

Importante: Neste ano não será necessária a filiação do atleta a alguma federação. Os atletas já filiados também poderão participar normalmente. Não haverá cobrança de taxa por parte das Federações. Para realizar as inscrições equipes e/ou atletas devem procurar a prefeitura de seu município e solicitar sua participação no JIMI.

A competição
Ao todo, serão 16 modalidades esportivas em disputa, nos naipes masculino e feminino. O JIMI será realizado em três etapas: microrregional, regional e estadual. A primeira delas terá início em abril, com as disputas das modalidades coletivas: basquete, futsal, handebol e voleibol. A segunda etapa será realizada em junho, com as mesmas modalidades.

Já a etapa estadual acontece em três momentos: em setembro, serão realizadas as disputas dos esportes individuais e paraolímpicos: atletismo, natação, ciclismo speed, ciclismo mountain bike, natação, judô, karatê, taekwondo, xadrez, bocha paralímpica, basquete em cadeira de rodas, atletismo PCD e natação PCD.

Enquanto em outubro, acontecem as disputas das modalidades coletivas. Diferentemente do que aconteceu em 2016, as equipes classificadas serão agrupadas em apenas uma divisão.

Além disso, na fase microrregional os territórios são organizados da seguinte forma: Metropolitana; Sudoeste – Oeste; Alto Jequitinhonha – Médio e Baixo Jequitinhonha – Mucuri; Norte – Central; Sul; Triângulo do Norte – Triângulo do Sul – Noroeste; Vertentes – Mata; Caparaó – Vale do Aço – Rio Doce.

Já na regional a organização muda para: Alto Jequitinhonha – Médio e Baixo Jequitinhonha – Mucuri – Norte – Central; Sul – Vertentes – Mata; Triângulo do Norte – Triângulo do Sul – Noroeste – Sudoeste – Oeste; Metropolitana – Caparaó – Vale do Aço – Rio Doce.