Equipe do Puella Fusal. Crédito: arquivoNeste 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher e, em Belo Horizonte, há um grupo de jovens rompendo barreiras no esporte. O Puella Futsal irá disputar o Campeonato Metropolitano, que começa em abril, e o Campeonato Estadual, em agosto, em todas as categorias. Isso porque o projeto Novo Estilo da equipe conta, desde janeiro, com R$332.706,99 captados com a empresa Gatorade. O recurso é fruto da isenção fiscal do Governo de Minas Gerais por meio da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte. O projeto, que atende as categorias sub-15, sub-17, sub-20 e adulto, foi Inscrito pela Associação Esportiva Cultural e Social (AECS), no edital 01/2014 da Lei. 

Gestor do projeto, Bruno Prota, está otimista com a temporada. “Infelizmente não existe estrutura para o futsal feminino no Brasil. Por isso a Lei de Incentivo é o melhor mecanismo para a promoção da modalidade. Além disso, é uma garantia para as atletas que treinam duro todos os dias para alcançar os melhores resultados, mesmo levando uma vida dupla (com jornada de trabalho em outras áreas), já que a maioria não consegue se manter apenas com o futsal”.

Oportunidade
A equipe, que tem seu nome inspirado na palavra mulher do latin, acumula um histórico de sucesso ao formar e revelar atletas para Minas Gerais e para o Brasil. Foi assim com as atacantes Aline Guedes Santiago, hoje no América, e com a Milene —artilheira do Campeonato Brasileiro de 2016, pelo do Rio Preto, e recém convocada da Seleção Brasileira de Futebol de Campo.

O DNA vitorioso do Puella ainda tem planos para sediar a Taça Brasil (sub-15 e adulto). Para isso, aguarda a autorização de outro projeto inscrito na Lei de Incentivo, esse do edital 01/2016. “As empresas atentas às políticas de responsabilidade social e que querem associar suas marcas a projetos promissores devem ficar atentas ao Puella. Se aprovado pelo Comitê Deliberativo da Lei de Incentivo, o projeto estará apto a captar até R$300 mil de empresas contribuintes do ICMS enquadradas no regime de recolhimento débito e crédito. Isso significa que a empresa não irá desembolsar nada a mais para colher os benefícios do apoio, afinal, o recurso é fruto de uma dedução fiscal do Governo de Minas Gerais”, observa o secretário de Estado de Esportes em exercício, Ricardo Sapi. 

Trajetória de luta
Apesar da agenda cheia deste ano, em 2016 as atletas passaram por uma triste situação de ostracismo. Sem patrocínio ficaram de fora de todos os torneios. “Foi o ano mais difícil desde que o time foi fundado (2012). Apesar de treinarmos forte, não conseguimos disputar nenhuma competição por falta de dinheiro. Felizmente voltaremos este ano, graças a verba captada por meio da Lei de Incentivo”, comemora Natália, que em 2015, fez parte da seleção brasileira da modalidade que disputou o Campeonato Sul-Americano Feminino de Futebol de Salão.

Em 2015 a falta de verba foi burlada com garra. À época o Puella não tinha dinheiro para transporte, taxa federação ou de arbitragem. “Tivemos que nos virar para bancar nossa participação nas principais competições. Fizemos festivais de torta, vendemos camisas, rifas e assim conseguimos fechar o ano sem deixar de disputar nenhum torneio”, lembra a goleira da equipe Natália Scalabrini Taurinho, de 25 anos, que está no time desde o início do projeto.

O Puella prepara atletas entre 12 e 35 anos de futsal feminino para participação em competições desde a base até o adulto. A equipe já treinou em clubes associativos e recreativos tradicionais da capital mineira como o Mackenzie e o Oasis. E, desde janeiro, utiliza as quadras da PUC Minas, do Coração Eucarístico, durante os dias de semana, e no Colégio Magnum, do Cidade Nova, aos finais de semana.

As jogadoras são selecionadas por meio de “peneiras”, prática comum na modalidade, e está em processo seletivo para recrutar 60 beneficiadas. Para maiores informações sobre o Puella, basta mandar uma mensagem pela página do projeto no Facebook.

Sobre o mecanismo
O Minas Esportiva Incentivo ao Esporte, baseado na Lei Estadual de Incentivo ao Esporte (20.824/2013), é um programa da Secretaria de Estado de Esportes de fomento à prática esportiva em Minas Gerais. Por meio dele 0,05% da receita líquida anual do ICMS que coube ao Estado podem ser direcionados pelas empresas contribuintes para apoiar atividades esportivas ou paradesportivas.

Desde que foi sancionada a Lei já foram aprovados 452 projetos que trouxeram benefícios tanto para a população atendida quanto para as empresas apoiadoras. Mais de 66 mil pessoas foram beneficiadas com R$ 32 milhões do Governo de Minas Gerais, via dedução fiscal. Mais informações aqui.

 

gestor do projeto