Competição tem presença confirmada do atleta olímpico Gideoni Monteiro_foto arquivo pessoalAmanhã, 21, a cidade de Senador Firmino, no território Mata, sediará uma das provas mais tradicionais do ciclismo de estrada no Brasil. Trata-se da Clássica 21 de Abril, que volta a ser disputada em 2017 após dois anos longe do calendário da modalidade. O retorno da prova conta com o apoio da Secretaria de Estado de Esportes (SEESP) por meio da campanha Bicicletize, criada com o objetivo de incentivar o respeito entre os ciclistas e demais usuários de estradas e vias urbanas, além de disseminar ideias de segurança no trânsito. A Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) também é apoiadora do evento.

Realizada sempre no feriado nacional de Tiradentes, a prova é uma das mais tradicionais competições realizadas em solo mineiro e uma das mais antigas provas de ciclismo de estrada do Brasil, que sempre teve apoio das principais equipes e atletas nacionais. Neste ano, entre os mais de 100 competidores inscritos está Gideoni Monteiro, que disputou as Olimpíadas Rio 2016. Mesmo tendo como ponto forte o ciclismo de pista, o atleta quer aproveitar a prova em estrada para melhorar o desempenho física. “Eu gosto bastante dos dois tipos de prova, tanto a ominium (pista) quanto a estrada. E as duas acabam se complementando, pois com as provas de estrada adquiro resistência e com as provas de pista, ganho velocidade e visão de prova”, explica.

Gideoni Monteiro_foto arquivo pessoal

Em sua participação na Rio 2016 Gideoni fez história ajudando o país a voltar a disputar uma prova de ciclismo de pista após um jejum de 24 anos. O atleta terminou em 13º lugar, e depois dos Jogos ficou em 18º na última etapa do mundial, na Inglaterra. Já em fevereiro deste ano, Gideoni terminou na nona colocação da terceira etapa da Copa do Mundo de ciclismo de pista, em Cali, na Colômbia. Foi o melhor resultado do país na história da competição. Com tais feitos, ele foi premiado pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), em março.

“Terminamos a Rio 2016 com a sensação de ter feito tudo que podíamos e vimos também o que pode ser melhorado já para o próximo ciclo olímpico. Agora é continuar firme nessa preparação para Tóquio”, conta o ciclista.

O percurso
Os realizadores da competição —Federação Mineira de Ciclismo (FMC) e X5 Bikers Eventos Esportivos, que já organiza provas de ciclismo olímpico e mountain bike— propõem uma grande novidade à edição do evento: a completa mudança do percurso da prova. Normalmente disputada entre Ouro Preto e Belo Horizonte, desta vez os organizadores resolveram ir para Senador Firmino. Lá os competidores terão um atrativo a mais: dois trechos de estrada de paralelepípedos que remetem os participantes à prova de Paris-Roubaix (FRA), uma das mais famosa do mundo do ciclismo.

“Vai ser um prazer poder disputar a Clássica 21 de abril. Será minha primeira participação em uma prova com trechos de paralelepípedos e acho que eles darão um tempero a mais na disputa. Além disso, o percurso conta com um ganho de elevação acumulado por conta das subidas consideráveis”, avalia Gideoni.

Prevista para ser executado em 3 horas, o percurso terá 92 quilômetros primeiro passando por Dores do Turvo, onde os ciclistas fazem a volta pela MG-280 até a cidade de partida, seguido pela MG-124 para Divinésia e Ubá. De lá os competidores encaram um pesado trecho de pouco mais de cinco quilômetros em subida que promete ser o grande teste para os atletas (no total, serão 1.705m de variação altimétrica) para retornar até a linha de chegada, em Senador Firmino.

"Nós estamos procurando retomar um calendário digno de ciclismo de estrada, que andava esquecido, diferentemente do mountain bike. E a 21 de Abril é uma clássica, uma prova que tem que fazer parte dele", explica o presidente da FMC, Paulo Aquino.