Éverson Ciccarini, presidente da Federação de Esportes Estudantis (FEEMG); o secretário de Estado de Esportes em exercício, Ricardo Sapi; mestre e segundo vice-presidente da Federação de Taekwondo do Estado de Minas Gerais (FTEMG), Marcelino Soares de Barros; além do diretor de arbitragem da FTEMG, Vinícius de Castro Castelo BrancoO secretário de Estado de Esportes interino, Ricardo Sapi, recebeu, recentemente, em seu gabinete representantes da Federação de Esportes Estudantis de Minas Gerais (FEEMG) e da Federação de Taekwondo do Estado de Minas Gerais (FTEMG). O objetivo do encontro inédito foi promover o diálogo entre as duas entidades e viabilizar o fomento da modalidade no âmbito escolar, fortalecendo o taekwondo mineiro desde as categorias de base.

Participaram da reunião o presidente da FEEMG, Éverson Ciccarini, e pela FTEMG o mestre e segundo vice-presidente, Marcelino Soares de Barros, além do diretor de arbitragem, Vinícius de Castro Castelo Branco.

Taekwondista na SEESP

O secretário Ricardo Sapi é faixa preta 1º DAN de taekwondo e conhece de perto os desafios da modalidade. Ingressou no alto rendimento em 1983, aos 7 anos. Natural e residente de Varginha, Sul de Minas Gerais, por questões burocráticas Sapi competia pela federação carioca. Vice-campeão Brasileiro Infanto-Juvenil, foi o faixa preta mais novo da sua região, aos 16 anos. Mas, também coleciona em seu currículo de esportista outras grandes histórias como a participação na seletiva para os Jogos Pan-Americanos da Grécia.

Também orgulha-se de sua participação em um curso para atletas e árbitros em Seul, Coreia do Sul. Ele conta que a comitiva brasileira, que treinou no berço do taekwondo, tinha como foco o aprimoramento de técnicas para melhorar a representação do país em competições internacionais. “Foi uma experiência única e que mudou a minha forma de enxergar o esporte. Na Secretaria de Estado de Esportes viso intensificar o apoio a competições e projetos de aperfeiçoamento, pois, são um grande diferencial na conquista de títulos”, afirma.

Diálogo como marca de gestão

O secretário conta que está aberto para dialogar com federações e confederações. “O taekwondo, assim como outras modalidades, atravessou grandes dificuldades nos últimos anos, sejam financeiras ou até mesmo éticas. Precisamos unir forças para cenários mais positivos e criativos para levar o esporte brasileiro a grandes títulos”, conclui.

Presidente do Comitê Deliberativo Minas Esportiva Incentivo ao Esporte (CDMEIE), Sapi vem trilhando o caminho de aproximação com a cadeia esportiva ao analisar os projetos inscritos nos editais da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte. Por meio do mecanismo, o projeto Taekwondo Escolar é realizado por três anos pela Federação de Taekwondo do Estado de Minas Gerais (FTEMG). Através da iniciativa são ministradas aulas da modalidade no contra turno escolar para alunos da rede pública municipal da região metropolitana de Belo Horizonte (MG). O vice-presidente da FTEMG, mestre Marcelino Soares de Barros, afirma que o projeto vai muito além de proporcionar o acesso à prática esportiva. Visa “formar um medalhista da cidadania, do respeito e da ética por meio do esporte de luta”, revela.

Os alunos do projeto recebem uniforme, apostilas e a carteirinha da federação, têm acesso aos exames de graduação, faixas, diplomas e participam de torneios solidários e competições. Também são motivados com palestras sobre respeito à família, organização e disciplina.

“É preciso ampliar esses exemplos”, comenta Ricardo Sapi. Mestres, técnicos e federações das mais diversas modalidades precisam aproveitar melhor a Lei Estadual e a Federal de Incentivo ao Esporte, instrumentos que garantem a aplicação de recursos públicos tanto para a realização de eventos esportivos como no treinamento de atletas e equipes. “Precisamos ter mais Maicons e é esse tipo de iniciativa que permite descobrir jovens atletas nos cenários mais adversos”, afirma o secretário em alusão à trajetória de Maicon Andrade Siqueira, primeiro atleta mineiro a conquistar uma medalha olímpica em esporte individual ao levar o bronze no taekwondo, até 80 quilos, na Olimpíada do Rio de Janeiro. Maicon cresceu em um distrito carente de Ribeirão das Neves e tem uma história de vida marca pela superação.